Nacionalistas e Jihadistas Unidos

:

E Contra Eles, apenas Resistência Autônoma

Localizations:

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2019/10/07/header.jpg

A traição do governo Trump a Rojava mostra a relação simbiótica entre tiranos nacionalistas de extrema-direita como Donald Trump e o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan e grupos jihadistas como o Estado Islâmico. Também nos leva à conclusão de que não podemos depender de nenhum estado, partido ou exército para manter a paz: precisamos nos organizar horizontalmente.

Clique na imagem para baixar uma versão do panfleto deste texto para imprimir e distribuir.

O povo de Rojava, no norte da Síria, incluindo curdos e muçulmanos, estava na frente da luta para derrotar o Estado Islâmico do Iraque e da Síria (ISIS), sofrendo milhares e milhares de baixas no decorrer dos anos de guerra. Assim que o ISIS foi derrotado, o governo dos EUA induziu as Forças Democráticas da Síria (SDF) a desmantelar suas defesas ao longo da fronteira síria, prometendo garantir a paz na região. região e desencorajá-los a procurar outros aliados internacionais. Uma vez que estavam indefesos, Trump deu à Turquia permissão para invadir a região.

Apesar de toda a conversa sobre fronteiras, Trump obviamente não se importa em respeitá-las – assim como ele não se importa em combater o terrorismo. Com o ISIS tendo perdido todo o seu território e dezenas de milhares de combatentes nos campos de detenção dos SDF, a invasão turca da Síria é a única coisa que permitiria ao ISIS retomar suas atividades.

Durante o reinado do ISIS, foi amplamente divulgado que a Turquia permitiu tacitamente que voluntários, armas e recursos chegassem ao Estado Islâmico em seu território. Até o ex-enviado de Trump à Coalizão Global para Derrotar o ISIS, Brett H. McGurk, argumentou que a invasão da Turquia provavelmente permitirá que o ISIS se reagrupe e reemerja. Uma das justificativas declaradas de Trump para permitir que a Turquia invada a Síria é que os contribuintes dos EUA não devem pagar para manter os combatentes do ISIS presos. De fato, os EUA não pagaram um centavo para deter combatentes do ISIS capturados; que foi completamente organizado pelo SDF. A verdadeira agenda de Trump é permitir que Erdoğan realize uma limpeza étnica contra os curdos e desestabilize ainda mais o Oriente Médio. As autoridades turcas descrevem consistentemente organizações curdas como o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) como adversários de maior prioridade que o ISIS.

Demagogos como Trump e Erdoğan se beneficiam do terror espalhado por grupos como o ISIS; esses grupos são as únicas coisas que podem fazer com que suas próprias agendas autoritárias pareçam boas. Esta última tragédia se encaixa em um longo padrão. O financiamento da CIA ajudou a equipar combatentes da Al Qaeda no Afeganistão; a invasão e ocupação do Iraque por George Bush criou as condições para o ISIS surgir, ferindo toda a população e deixando uma enorme quantidade de equipamento militar disponível para os insurgentes.

Como discutimos em 2015, após ataques do ISIS em Paris,

Existe uma simetria assustadora entre as agendas dos nacionalistas da Europa e os fundamentalistas do Estado Islâmico. Os nacionalistas desejam ver o mundo dividido em comunidades fechadas nas quais a cidadania serve como uma espécie de sistema de castas. A história européia mostra que, em um mundo assim dividido, a solução definitiva para todos os problemas é a guerra. Os fundamentalistas, por sua vez, esperam afirmar a identidade islâmica como base de uma jihad global.

Nesse sentido, a única diferença real entre o ISIS e os nacionalistas europeus é se os critérios para inclusão na nova ordem mundial devem ser cidadania ou religião. Tanto o ISIS quanto os nacionalistas querem ver os conflitos do século XXI entre povos claramente definidos, governados por potências rivais, não entre os governantes e os governados como um todo.

A invasão turca de Rojava abrirá um novo precedente para invasões militares sem sentido, limpeza étnica e destruição de experimentos sociais comparativamente igualitários como o de Rojava. Prepara o terreno para mais massacres e opressões em todo o mundo. Isso implica um futuro no qual autocratas etno-nacionalistas como Trump, Erdoğan, Bashar al-Assad, Jair Bolsonaro e Vladimir Putin estarão no controle em todo o mundo, se conectando para manter o poder sobre seus domínios privados, contando com grupos como ISIS para assustar as pessoas ignorantes a correrem em busca de segurança.

A invasão da Turquia também mostra que não podemos contar com os Estados Unidos, as Nações Unidas ou qualquer outro governo ou instituição transnacional para manter a paz e muito menos para nos proteger. Precisamos investir tudo na organização popular e na solidariedade internacional. Nenhum político, partido ou militar tem nossos melhores interesses no coração.

Na manhã do dia 7 de outubro, quando incia a invasão turca, senadores republicanos neoliberais como Lindsay Graham, que serviram a Trump fielmente como labe-botas obedientes, estão discutindo alguns dos mesmos pontos que mencionamos acima. Isso não mostra que anarquistas e neoliberais têm a mesma agenda, e sim confirma que entramos em uma era de conflitos com três lados, colocando nacionalistas, neoliberais e movimentos sociais antiautoritários um contra o outro – e um infortúnio aguarda aqueles que cometer o erro de contar com neoliberais para ter segurança. Os manifestantes em Hong Kong que pediram apoio a Donald Trump e ao governo dos Estados Unidos precisam ver o quão tolo isso é hoje.

Para derrotar um exército jihadista islâmico equipado com todo o armamento que os EUA abandonaram no Iraque, os SDF concluíram que não tinham outra escolha senão depender das forças armadas dos Estados Unidos para obter apoio aéreo. Era inevitável que, uma vez cumpridos seus propósitos, os EUA os traíssem - mas o povo curdo sentiu que não tinham outra escolha. Se não queremos que futuros movimentos populares contra insurgências fascistas e fundamentalistas terminem da mesma maneira, o que precisamos fazer? Como devemos nos organizar hoje?

Não existe soluções estatais para esse problema. Hoje, dos Estados Unidos à França, da China à Nicarágua e Equador, todos os governos estão focados principalmente em manter seu próprio poder, sem abordar as causas do desespero e da agitação social. Mais uma vez, como escrevemos em 2015,

De Washington DC e Istambul a Raqqa e Mosul, aqueles que detêm o poder não têm soluções reais para as crises econômicas, ecológicas e sociais de nosso tempo; eles estão mais focados em suprimir os movimentos sociais que os ameaçam. Mas onde quer que esses movimentos sejam esmagados, os descontentes serão recrutados para organizações como o ISIS, que buscam resolver seus problemas através da guerra sectária, em vez de mudanças revolucionárias coletivas.

E para citar um anarquista na Síria, escrevendo dezembro passado, quando ficou claro que Trump esperava trair os curdos sírios:

Ninguém deve esquecer que o ISIS só foi reduzido à sua fraqueza relativa atual por um movimento de resistência popular multi-étnico e radicalmente democrático, envolvendo voluntários internacionais de todo o mundo. Em vista da decisão de Trump de trair a luta contra o ISIS, todo mundo que quiser sinceramente impedir a propagação de grupos terroristas fundamentalistas apocalípticos como o ISIS ou seus sucessores iminentes deve parar de contar com o Estado e colocar todos os seus recursos em apoio direto movimentos igualitários multiétnicos descentralizados. Está ficando cada vez mais claro que essa é a nossa única esperança.

Se Trump conseguir passar por isso, o autor alertou também dezembro passado,

toda a era pós-Guerra Fria da hegemonia militar dos EUA terminou e estamos entrando em uma era multipolar na qual os tiranos governarão etno-estados autoritários sectarizados: pense na Europa antes da Primeira Guerra Mundial. Os liberais e neoconservadores que preferiram a hegemonia americana estão de luto a passagem de uma era que foi um pesadelo ensopado de sangue para milhões. Os esquerdistas (e anarquistas?) que imaginam que essa transição poderia ser uma boa notícia são tolos lutando contra o inimigo de ontem e a guerra de ontem, sem reconhecer os novos pesadelos que surgem ao seu redor. A coalizão vermelho/marrom de fato de socialistas e fascistas autoritários que celebram a chegada desta nova era está nos apressando para um admirável mundo novo, no qual cada vez mais o mundo se parecerá com as piores partes da Síria guerra civil.

Todos os povos, movimentos sociais e todas as pessoas de boa fé devem se mobilizar imediatamente para impor consequências à Turquia por esse ataque odioso e espalhar uma visão de futuro sem tirania ou guerra. Se não o fizermos, as consequências serão horríveis.

Leitura adicional

A ameaça para Rojava: Anarquista na Síria fala sobre o verdadeiro significado da retirada de Trump — Escrito por um anarquista em Rojava no final de dezembro, quando Trump anunciou pela primeira vez seu plano de permitir a invasão de Erdoğan, esta visão geral da situação ainda é atual e, infelizmente, mais oportuno do que quando foi escrito.

As fronteiras não vão te proteger, mas podem até te matar: Uma análise da relação entre fronteiras, xenofobia, a chamada crise de refugiados, ataques terroristas e os processos através dos quais grupos como o ISIS e políticos nacionalistas se beneficiaram das vitórias uns dos outros.

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2019/10/07/1.jpg