O “Cessar Fogo” é uma Fraude Mortal

:

Mensagem de um camarada em Rojava

Categories:
Localizations:

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2019/10/19/11.jpg

O suposto cessar-fogo anunciado pelo vice-presidente dos EUA, Mike Pence, é uma fraude mortal. Seu único objetivo é permitir que o governo Trump lave as mãos do derramamento de sangue que os militares turcos estão cometendo enquanto muda o discurso para culpar as vítimas por continuarem resistindo. De qualquer forma, esse falso cessar-fogo é uma traição maior do que a decisão original de Donald Trump de dar ao presidente turco Recep Tayyip Erdoğan a luz verde para invadir Rojava e realizar uma limpeza étnica contra o povo curdo da mesma maneira que ele faz na Turquia.

Os termos do acordo entre a Turquia e os EUA estão no apêndice ao final deste texto.

Ativistas bloqueando a ponte San Francisco-Oakland em São Francisco no sábado, dia 19 de outubro, em solidariedade as pessoas de Rojava. A faixa diz “Nós Somos as Montanhas” e faz menção ao ditado que diz que “o povo curdo não tem amigos além das montanhas”.

Ao declarar rendição unilateral em nome das pessoas que se defenderam contra a invasão da Turquia, Trump e Erdoğan estão tentando forçá-los a abrir mão do território que a Turquia ainda não conseguiu ocupar pela força. O Estado Islâmico (ISIS) e os outros grupos jihadistas que se aproveitaram da invasão turca para retomar sua atividade não respeitarão o cessar-fogo em nenhuma hipótese. Os EUA retiraram suas forças da área e não pretendem monitorar a agressão turca, muito menos desencorajá-la. O fato de Trump ter usado o suposto cessar-fogo como desculpa para suspender as sanções econômicas que outros funcionários do governo dos EUA exigiram que ele impusesse à Turquia confirma claramente isso.

De fato, a Turquia negou explicitamente que isso represente uma trégua e os militares turcos e seus representantes mercenários sírios já estão violando o cessar-fogo com impunidade. Além dos relatórios que chegaram até nós diretamente da YPJ (Unidade de Proteção das Mulheres), várias fontes da mídia corporativa relataram que o cessar-fogo não impediu as forças turcas de continuarem atacando em partes da Síria mantidas pelas Forças Democráticas da Síria (SDF). O comandante do SDF em Serêkaniyê informou na sexta-feira que mais de 40 de suas posições foram atacadas desde a declaração do chamado cessar-fogo.

Portanto, o cessar-fogo é uma mentira.

Os pais do anarquista e mártir italiano Lorenzo Orsetti protestando hoje em Florença contra a invasão turca de Rojava

Tememos que, assim que o prazo designado expirar, a Turquia intensifique seus ataques a civis e combatentes da resistência na chamada “zona segura”. No dicionário de orwelliano, o discurso duplo na Síria, ao lado de “Primavera da Paz” e “cessar-fogo”, podemos adicionar “zona segura” como uma palavra para “campos de assassinato”. É difícil imaginar algo mais descarado do que matar milhares de pessoas, desalojar centenas de milhares e permitir que os jihadistas retomem suas atividades em toda a região e justificar tudo isso com o argumento de que é necessário defender a Turquia do “terrorismo”.

Como enfatizamos na semana passada,

Uma Rojava livre não ameaça o povo turco; ameaça o regime de Erdoğan e a opressão que o povo curdo enfrenta na Turquia. É uma guerra etno-nacionalista, pura e simples.

Trump está determinado a apoiar tudo isso a qualquer custo em cadáveres. Uma autoridade turca disse à CNN que, literalmente, a “operação militar valeu a pena”. Uma autoridade do governo dos EUA, falando mais francamente do que o habitual, admitiu:

“Este é essencialmente o EUA validando o que a Turquia fez e permitindo os turcos anexem uma parte da Síria e desloquem a população curda… É isso que a Turquia queria e o que o presidente Trump deu permissão. Acho que uma das razões pela qual a Turquia concordou [com o cessar-fogo] é porque os curdos resistiram bastante e, como resultado, os turcos não puderam avançar mais para o sul. Se não impusermos sanções, a Turquia ganhará muito tempo.”

Manifestação em solidariedade a Rojava em São Francisco — Sábado, 19 de outubro.

A Rússia e Assad também querem que as Forças Democráticas Sírias de Rojava se retirem da área ao longo da fronteira para ampliar seu controle na região. Após bombardear hospitais e atacar civis com gás, esse poder internacional imperialista e o tirano local que ele adora estão animados para fingir ser os pacificadores e defender “a integridade territorial da Síria”. Do ponto de vista do imperialismo russo, toda essa tragédia é simplesmente uma oportunidade de colocar toda a Síria de volta sob a autoridade de Assad, um déspota mesquinho que dezenas de milhares de pessoas já morreram na esperança de derrubar.

twitter.com/cmi_saopaulo/status/1183068372797448193

twitter.com/raveenaujmaya/status/1185668235888332800

Recebemos a seguinte mensagem de um anarquista no meio da zona de guerra em Rojava. Ele oferece uma visão penetrante do chamado cessar-fogo e as consequências que essa traição agora dupla pelos Estados Unidos terá para os combatentes e civis em Rojava:

18 de outubro, 13:51, horário local. Ontem à noite, ouvimos as notícias de última hora sobre o vice-presidente dos EUA em reunião com a Turquia e decidindo que no nordeste da Síria haveria o chamado “cessar-fogo”, um acordo vitorioso que seria um “grande dia para a civilização”, nas palavras de Trump.

Para mim, isso me lembra mais o que aconteceu na Tchecoslováquia em 1938: o Acordo de Munique, quando Adolph Hitler da Alemanha nazista, Benito Mussolini da Itália fascista, Neville Chamberlain da Grã-Bretanha e Eduoard Daladier da França se reuniram sobre a mesa em Munique em 1938 e concordaram em entregar à Alemanha os Sudetos, uma zona de 30 a 50 quilômetros em torno da fronteira do que costumava ser a Tchecoslováquia. Segundo o acordo, algumas pequenas partes do território foram para a Polônia; A Eslováquia foi cortada e se tornou sua própria república fascista administrada por Jozef Tiso; e o resto do que restava da Tchecoslováquia, a Morávia Boêmia, seria ocupado pela Alemanha enquanto algo como um protetorado, mas não formalmente anexado como parte da Alemanha.

O que eu vejo acontecendo aqui é que temos Erdogan como Hitler, temos Trump como Chamberlain – ou talvez mais como Mussolini, na verdade, o grande capitalista/fascista idiota que comanda seu país. O regime de Bashar al-Assad é como uma Eslováquia mais forte, liderando a seção fascista do que formará outra parte da Síria “segura”; e os Sudados seria o que a Turquia reivindica por sua “zona segura”. Mas, em vez de chamá-lo de Acordo de Munique, eles o chamam de “cessar-fogo”. Isso significa que as pessoas do local, a menos que sejam árabes ou turcos jihadistas, serão removidas ou “limpadas”. Ou então, viverão em condições extremamente terríveis e muitas serão mortas. Haverá atrocidades, como aconteceu em Afrin e em muitos lugares antes.

É isso que vai acontecer, essa é a questão desse glorioso cessar-fogo supostamente “salvará a civilização”. Ele legitima a invasão turca perante a OTAN. Basicamente, a proposta que rejeitamos há uma semana, o que estamos lutando e as pessoas estão morrendo em grande escala para defender, agora está sendo entregue à Turquia pelos EUA. Isso significa que podemos aceitar isso e perder ou podemos continuar lutando, mas agora a luta será ainda mais difícil. Isso já era quase impossível na minha visão; mesmo não sendo pela vitória, foi uma luta pela dignidade, pela resistência, pelas gerações futuras. É como eles estão sempre dizendo: “Isto é pelo espírito de luta, não pelo espírito de vitória”. E esse pode ser um exemplo perfeito dessa frase na prática e em grande escala.

Então nós, as pessoas e os combatentes daqui, podemos nos entregar a eles ou podemos lutar – mas desta vez, não apenas contra a Turquia e os jihadistas, mas também contra o mundo inteiro, porque eles fizeram esse acordo. O problema – e é por isso que estou me referindo a Munique em 1938 – é que nesse acordo ninguém perguntou à Tchecoslováquia o que eles pensavam sobre isso; ninguém os trouxe para a mesa. Não que eu concorde com a representação em primeiro lugar, mas mesmo para a maioria das pessoas que reconhecem a democracia como a ordem ou sistema representativo legítimo – mesmo os representantes democráticos da Tchecoslováquia não foram trazidos à mesa em Munique, assim como não foram levados para Ancara ontem. Ninguém dos curdos ou sírios, armênios, assírios ou outras pessoas que moram aqui foi consultado.

[Interrupção.] Eles trouxeram outro cadáver do front. [Gritos ao fundo.] Este foi claramente atingido por um ataque aéreo… OK, foi um camarada. Este não foi o primeiro de hoje, nem o segundo.

Então, voltando à análise da situação: vejo uma conexão muito direta com esses eventos da história, com as pessoas mais afetadas e que vivem nessas áreas sem voz e sem meios de resistência em suas próprias mãos. Nenhum dos meios que tínhamos até agora era perfeito, para começo de conversa. Considerar esse tal “cessar-fogo” como qualquer tipo de progresso é realmente exagerado e hipócrita.

Manifestação em apoio a Rojava em Flesburg, Alemanha, do lado de fora do quarteirão da Rheinmetall, que produz os tanques usados pela turquia na invasão no norte da Síria.

Toda essa tragédia apenas confirma que nenhum governo – nem os EUA, nem a Rússia, nem a Síria, nem a Turquia, nem qualquer governo estatal que poderia ter chegado ao poder se a revolução síria tivesse sido bem-sucedida – pode ser confiável para cuidar dos seres humanos que sempre sofrem mais como consequência da política e do militarismo. Movimentos sociais autônomos, baseados em princípios de autodeterminação e solidariedade, são a única maneira confiável de se opor à agressão militar e apoiar lutas pela libertação em todo o mundo. Precisamos tornar nossos movimentos poderosos o suficiente para poder alavancar uma ameaça real a governos e empresas que são cúmplices de invasões como a que a Turquia está realizando. Desenvolvimento de conexões internacionais com movimentos sociais do outro lado das linhas de batalha na Turquia e na Rússia e em todo o mundo a desde o Equador até a África do Sul, é uma parte essencial disso. Isso não é apenas uma questão de sucesso a longo prazo, mas também de fazer tudo o que pudermos para realizar ações de solidariedade disruptivas agora.

Leia nosso chamado para ação, incluindo informações sobre várias empresas cúmplices da invasão.

Para mais informações sobre as complexidades das situação em Rojava:


Apêndice: O texto do acordo entre a Turquia e os EUA sobre o suposto “cessar-fogo”:

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2019/10/19/9.jpg

17.10.19-19.38

17 de outubro de 2019

DECLARAÇÃO COMUM TURCO-EUA SOBRE O NORDESTE DA SÍRIA

  1. Os EUA e a Turquia reafirmam seu relacionamento como membros da OTAN. Os EUA entendem as preocupações legítimas de segurança da Turquia na fronteira sul da Turquia.

  2. A Turquia e os EUA concordam que as condições no terreno, especialmente no nordeste da Síria, requerem uma coordenação mais estreita com base em interesses comuns.

  3. A Turquia e os EUA continuam comprometidos com a proteção dos territórios e populações da OTAN contra todas as ameaças, com o sólido entendimento de “um por todos e todos por um”.

  4. Os dois países reiteram seu compromisso de defender a vida humana, os direitos humanos e a proteção das comunidades étnicas religiosas.

  5. A Turquia e os EUA estão comprometidos com as atividades do D-ISIS / DAESH no nordeste da Síria. Isso incluirá a coordenação de instalações de detenção e pessoas deslocadas internamente em áreas anteriormente controladas pelo ISIS/DAESH, de modo apropriado.

  6. A Turquia e os EUA concordam que as operações de combate ao terrorismo devem atingir apenas terroristas e seus esconderijos, abrigos, instalações, armas, veículos e equipamentos.

  7. O lado turco expressou seu compromisso de garantir a segurança e o bem-estar dos residentes de todos os centros populacionais da zona segura controlada pelas Forças Turcas (zona segura) e reiterou que o máximo cuidado será exercido para não causar danos aos civis e infraestrutura civil.

  8. Ambos os países reiteram seu compromisso com a unidade política e a integridade territorial da Síria e com o processo político liderado pela ONU, que visa acabar com o conflito na Síria, de acordo com a Resolução 2254 do CSNU.

  9. As partes concordaram com a importância e funcionalidade contínuas de uma zona segura, a fim de abordar as preocupações de segurança nacional da Turquia, incluir o reolhimento de armas pesadas do YPG e a desativação de suas fortificações e todas as outras posições de combate.

  10. A zona de segurança será aplicada principalmente pelas Forças Armadas da Turquia e os dois lados aumentarão sua cooperação em todas as dimensões de sua implementação.

  11. O lado turco fará uma pausa na Operação Primavera da Paz para retirar todo o YPG da zona segura dentro de 120 horas. A Operação Peace Spring será interrompida após a conclusão desta retirada.

  12. Depois que a Peace Spring entrar em pausa, os EUA concordam em não aplicar mais sanções sob a Ordem Executiva de 14 de outubro de 2019, Bloqueando propriedades e suspendendo a entrada de certas pessoas que contribuem para a situação na Síria e consultam o Congresso, de modo apropriado, para sublinhar o progresso que está sendo realizado para alcançar a paz e a segurança na Síria, de acordo com a Resolução 2254 do CSNU. Depois que a Operação Peace Spring for interrompida conforme o parágrafo 11, as sanções atuais sob a Ordem Executiva acima mencionada serão suspensas.

  13. Ambas as partes se comprometem a trabalhar juntas para implementar todas as metas descritas nesta Declaração.