Contra Todas as Guerras, Contra Todos os Governos

:

Compreendendo a Guerra Entre Estados Unidos e Irã

Categories:

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2020/01/08/header.jpg

Após o ataque aéreo dos EUA que matou o general iraniano Qasem Soleimani em 3 de janeiro e os ataques com mísseis iranianos às posições dos EUA no Iraque em 7 de janeiro, houve uma considerável tensão sobre a escalada da guerra entre os Estados Unidos e Irã. Em um ecossistema midiático impulsionado principalmente pelo medo e pela indignação, as más notícias viajam rápido e as piores interpretações das notícias viajam ainda mais rápido. De nossa parte, acreditamos que a guerra se intensificará, mas adotando uma forma mais difusa do que o tipo de guerra convencional que a maioria das pessoas espera. Como inimigos declarados da guerra e da tirania, acreditamos que é importante formular estratégias à altura do momento.

cloudfront.crimethinc.com/assets/posters/contra-todas-as-guerras/contra-todas-as-guerras_front_black_and_white.jpg

Após os ataques com mísseis, o governo iraquiano anunciou que o exército iraniano havia disparado 22 mísseis e 17 deles atacaram a base aérea dos EUA em Al-Asad, 15 dos quais detonaram (ainda que sem vítimas reportadas). Em seguida, em uma declaração, o governo iraquiano afirmou que as autoridades iranianas os haviam avisado dos ataques com antecedência. Se isso for verdade, parece provável que o governo iraniano estivesse evitando intencionalmente matar tropas americanas, mas demonstrando que é capaz de atacar alvos americanos. Essa é uma maneira pela qual o governo iraniano pode salvar as aparências e aplacar os intransigentes, deixando aos Estados Unidos a opção de não escalar a situação.

A resposta real ao assassinato de Soleimani pelos Estados Unidos provavelmente ocorrerá fora do teatro oficial de guerra, na forma de violência promovida por aliados (proxy) e ataques terroristas. O Irã apóia forças em todo o Oriente Médio, especialmente no Iraque e no Líbano, onde seu aliado Hezbollah pode ser considerado mais poderoso que o governo oficial. O Iraque e a Síria já testemunharam muitos anos de violência. Agora parece inevitável que toda a extensão do território do Mar Cáspio ao Mediterrâneo seja afetada pela guerra civil nos próximos anos. O Estado Islâmico, que perdeu o último de seus territórios há menos de um ano, será sucedido por outros grupos que aprenderam com sua rápida ascensão e queda.

Portanto, independentemente de a escalada dos EUA com o Irã desencadear um conflito terrestre ou causar uma ocupação, ela representa mais um passo em direção à política externa dos EUA, que pressupõe e apressa um futuro da guerra civil mundial. Como oponentes da guerra e da tirania, temos que analisar o que os autoritários de todas as tendências podem ganhar com essa abordagem.

Primeiro, vale à pena repetir que a escalada do conflito dos EUA com o Irã confirma nossa tese de que, quando Donald Trump incentivou o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan a invadir a Síria, não foi um passo em direção à retirada dos Estados Unidos da região, mas simplesmente uma reorganização das alianças dos EUA no Oriente Médio em relação a atores mais autoritários. Os Estados Unidos já haviam enviado mais 14 mil soldados para a região antes de dar a Erdoğan a luz verde; desde então, milhares de outras tropas os seguiram. Os chamados “anti-imperialistas”, que repetiram a mentira de Trump de que ele estava tirando os Estados Unidos de “guerras sem fim”, ingenuamente deram cobertura a seus esforços para instigar as ambições imperiais turcas e russas, enquanto preparavam as bases para ele intensificar a conflito com o Irã.

Apesar do medo generalizado dos democratas de que Trump esteja tentando iniciar uma guerra para desviar os procedimentos de impeachment ou manipular o público (já polarizado) diante das eleições, parece claro que Trump não está procurando uma guerra convencional com o Irã. Ele quer lançar o peso militar dos EUA sem se envolver em operações terrestres. Seguindo o exemplo de Israel, ele espera ordenar ataques aéreos cirúrgicos contra adversários estrangeiros de alto escalão sem ter que ocupar outro país; dessa forma, você pode obter crédito da sua base islamofóbica por ser duro, enquanto perpetua a mentira de que está “tirando os Estados Unidos de guerras sem fim”. Resumindo, ele quer uma escalada sem complicações.

A verdade é que a guerra do século XXI será diferente da invasão e ocupação do Iraque em 2003. O conflito na Síria nos dá uma ideia do que podemos esperar: uma guerra civil que durou anos e envolveu aliados (os chamados proxies) lutando em nome dos interesses da maioria dos atores globais do poder, nos quais as distinções entre civis e militares foram obscurecidas por todos os lados. Provavelmente veremos mais casos em que a violência oficial do Estado é performativa, como os ataques com mísseis iranianos ontem, enquanto a verdadeira luta e morte são realizadas por representantes de potências, forças paramilitares e civis. A queda do voo 752 da Ukraine International Airlines imediatamente após o ataque com mísseis, no qual um grande número de canadenses, ucranianos e iranianos foram mortos, ilustra isso, assim como os dois ataques de foguetes que atingiram a “Zona Verde” em Bagdá imediatamente após o ataque. Trump anunciou que não responderia aos ataques do Irã.

As principais vítimas da escalada de Trump serão civis, cidadãos dos EUA, além de iranianos e iraquianos. No entanto, parece claro que Trump não está preocupado com a probabilidade de civis americanos serem alvejados como resultado de sua decisão. Pelo contrário, ele pode até apreciar esses ataques, contando com a liderança dos americanos mais medrosos e ignorantes ao seu lado.

Desde 2001, o Partido Republicano dos Estados Unidos apenas se beneficiou de políticas que polarizaram populações inteiras, resultando no surgimento do Estado Islâmico, ataques terroristas e mortes de civis por centenas de milhares. Eles têm a ameaça do fundamentalismo islâmico para fazer seu fundamentalismo autoritário mais atraente. Isso dá outra interpretação do tweet de Trump, afirmando: “Está tudo bem! E “Até então tudo bem”, imediatamente após o ataque com mísseis iranianos.

Não há força bruta capaz de manter a ordem neoliberal unida — e Trump não está tentando mantê-la unida. Em vez disso, ele e seus colegas nacionalistas querem garantir que os conflitos que acontecem dentro da ordem neoliberal se desenvolvam em divisões étnicas e nacionais, em vez de unir todos contra a classe dominante da qual ele é representante. Exemplo concreto: o governo iraniano, ameaçado por tumultos em massa há apenas dois meses, agora pode usar a escalada do conflito com os Estados Unidos para legitimar sua autoridade interna.

Em resposta às maquinações dos governos iraniano e norte-americano, nosso objetivo é identificar e resistir a todos os esforços dos estados em nos jogar umas contra as outras. Nosso objetivo é criar solidariedade que cruze as linhas nacionais, étnicas e religiosas, enquanto fazemos todo o possível para derrubar governos autoritários de Washington a Teerã. Nossa esperança é que movimentos revolucionários explodam em ambos os lados de cada fronteira. A escalada da violência estatal é calculada para tornar impossível substituir a guerra pela revolução. Em um mundo que está caminhando para guerras cada vez mais difusas, conduzidas por líderes nacionalistas, nossa melhor chance de sobrevivência é estabelecer vínculos entre movimentos sociais combativos como os do Líbano, Egito e Irã (e não muito tempo atrás, mesmo na Rússia e na Turquia) e esperamos que em breve nos Estados Unidos, como foi em Hong Kong e Chile. Vamos lutar contra aqueles que nos fazem morrer em guerras, e não perder tempo lutando entre nós.

Isso contrasta fortemente com a estratégia implícita na abordagem de certos esquerdistas autoritários nos Estados Unidos que, sempre me busca de uma autoridade para apoiar, decidiram legitimar o governo iraniano. Sejamos claros: fazer isso é cuspir as sepulturas das 1.500 pessoas que o governo iraniano matou para acabar com o recente levante popular. Isto é legitimar todas as prisões e policiais do Irã e todas as formas de tirania contra as quais o povo iraniano se levantou. Não precisamos afirmar a legitimidade das autoridades iranianas para condenar Trump por tentar convencê-las a nos atacar. Se existem aliados naturais para nós nessa situação, eles devem ser os que resistem à autoridade do governo iraniano da mesma maneira que nos opomos à autoridade de Trump.

De nossa parte, nossa rede inclui pessoas refugiadas que foram forçados a fugir do governo autoritário do Irã. Não podemos apoiar “o menor dos dois males”, nem podemos aceitar o tipo de raciocínio binário de que qualquer pessoa que se oponha ao governo dos EUA deve, portanto, ser um governo bom e legítimo. Apoiamos aqueles no Oriente Médio que declararam que:

A oposição aos ataques aéreos do imperialismo dos EUA e as ameaças de guerra contra o Irã e o Iraque só podem ser eficazes quando enraizadas na solidariedade com as forças progressistas e revolucionárias no Oriente Médio e no norte da África e em total oposição a todos os governos autoritários e potências imperialistas na região.

Gostaríamos de ver outras pessoas nos Estados Unidos empenharem-se mais em aprender sobre os movimentos de resistência anti-autoritários no Irã e em outras partes do Oriente Médio, e menos energia tentando reabilitar Soleimani como um herói “anti-imperialista”. Os dois lados que querem forçar a falsa dicotomia de “Trump ou Irã” são simétricos no sentido de que eles têm a ameaça representada pela alternativa para nos forçar a ficar do lado deles. Temos que pensar em outra opção: um caminho compartilhado para a liberdade.

É por isso que somos contra todas as guerras, contra todos os governos, contra todas as opressões. Acreditamos apaixonadamente no potencial de que todos os seres humanos tenham autodeterminação, apoio mútuo e coexistência pacífica. As autoridades de ambos os lados querem nos fazer temer um ao outro, mas sabemos que eles são nosso principal inimigo.


“O mundo não está dividido entre países. O mundo não está dividido entre o Oriente e o Ocidente. Vocês são americanos, eu sou iraniana, não nos conhecemos, mas conversamos juntos e nos entendemos perfeitamente. A diferença entre você e seu governo é muito maior do que entre você e eu. E a diferença entre mim e meu governo é muito maior do que entre eu e você. E nossos governos são muito parecidos. ”

Marjane Satrapi


cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2020/01/08/satrapi-pt.jpg