Imunidade Para Todas — Convite à Greve de Aluguéis

:

Poster e Chamado Para Autodefesa Coletiva

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2020/03/26/header.jpg

Na medida que o impacto econômico da pandemia do COVID-19 chega com tudo, populações começam a juntar forças e a se organizar no Brasil, nos Estados Unidos, no Canadá e em todo o planeta para não pagar aluguéis, hipotecas, financiamentos e empréstimos. Em abril, milhões de pessoas já não poderão pagar suas contas, independentemente de quererem ou não. Como a pandemia, essa é a consequência inevitável de um sistema que, desde o início, não foi projetado para nos proteger. O vírus ameaça nossas vidas — mas também ameaça a ordem social que já estava tornando nossas vidas inviáveis.

De nossa perspectiva, é urgente defender aqueles que não pagam aluguel (por não conseguirem ou por ocuparem) contra despejos e outras consequências negativas da pandemia. Se não nos unirmos para nos defender, aqueles que detêm o poder vão nos isolar e nos destruirão.

Fale com seus vizinhos. Crie grupos de defesa comuonitária. Identifique os locais e autoridades que devemos pressionar. Debata táticas de ação. Use a criatividade. Prepare-se para barrar os desalojos. Quanto mais pessoas participarem, mais seguras todas estarão. Juntos, podemos enfrentar os tribunais, a polícia e oficiais que reforçam os privilégios especiais dos ricos.

Os que lucram com ordem dominante estão se mobilizando para impor as consequências dessa crise sobre nós com dois pesos e duas medidas — uma lei para eles, outra para nós. Empresas como Subway, Cheesecake Factory, Adidas e outras já declararam que não pagarão aluguel em abril. Existem medidas para proteger as pessoas da classe média que não podem pagar suas hipotecas, mas nenhuma para as pessoas mais pobres que precisam pagar aluguel.

Apresentamos aqui um poster e dois textos sobre a greve de aluguel: o primeiro, feito por participantes de um grupo que oferece coordenação em todo EUA para a greve, o segundo de anarquistas envolvidos na greve de aluguel organizada na Costa Oeste dos EUA. Para saber mais sobre a greve de aluguel e como participar, comece aqui.


Imunidade para Todas: Poster em apoio à Greve de Aluguéis. Clique na imagem para baixar o poster para impressão.


Imunidade para Todos: Em defesa dos Nossos Lares

No século 21, o sentimento de se sentir em casa tornou-se uma experiência cada vez mais precária e temporária.

Alguns dormem em trens ou nas ruas; quem mora dentro de paredes de papelão também pode ver esse pequeno conforto arrancado pela polícia a qualquer momento. Outros alugam casas pré-fabricadas de madeira e gesso cartonado, onde a sensação de estar em casa é interrompida por boletos mensais que nos lembram que estamos pagando apenas para ficar na propriedade de outra pessoa; o aluguel do mês seguinte começa a pesar assim que o recém pago se vai. Em um sentido mais amplo, todos os seres vivos deste planeta compartilhamos a sensação de perder nosso lar quando o capitalismo industrial o torna progressivamente inabitável. Um bilhão de animais mortos se espalhou por toda a Austrália enquanto a fumaça escurecia o céu acima deles, manchas de óleo preto flutuando na água, uma ilha de plástico no oceano: essas cenas catastróficas cada vez mais frequentes e intensas mostram que, em breve, a Terra não poderá mais nos oferecer um lugar para chamar de “lar”.

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2020/03/26/1-pt.jpg

A pandemia de COVID-19 é uma dessas catástrofes. No entanto, isso nos fez entender a importância do lar. Lavar as mãos repetidamente e reprimir continuamente o desejo de tocar nossos rostos traz a atenção de volta aos nossos corpos. A limpeza das superfícies e maçanetas das portas nos lembra todas as maneiras pelas quais nossa presença física se sobrepõe inevitavelmente à presença de outras pessoas. Nossa incapacidade de conter a proliferação de pequenas informações – 30 kilobases de RNA dentro de um envelope viral – enfatiza o fato de que a questão genética sempre foi um tipo de bem da comunidade. Nossos corpos são ecos de uma ancestralidade comum; eles nos mantêm ligados à Terra.

Essa é a base sobre a qual devemos construir uma nova percepção do lar. A casa é uma estrutura que promove a vida, um local de conforto e privacidade, um local onde não precisamos trabalhar. Nossas casas nos oferecem imunidade das várias forças que atuam sobre nós. Diante de uma pandemia, quando “nos abrigamos em um só lugar” para não espalhar o vírus, as maiores ameaças à nossa imunidade são as forças que tentam nos roubar nossas casas. Com uma taxa de desemprego incrível provavelmente de 20% devido à pandemia, temos que lidar com as relações de propriedade que sujeitam nossas casas à pressão de arrendamentos e hipotecas.

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2020/03/26/2-pt.jpg

Nossa primeira linha de defesa é tornar-se imune a proprietários e construtores que esperam um retorno completo de seus investimentos, mesmo quando a economia está em colapso. Precisamos de imunidade dos cobradores de dívidas, dos tribunais que emitem notificações de despejo, da polícia que os executa. Precisamos de imunidade para pacientes que tiveram que pagar US$ 40.000 por atendimento médico de emergência para o COVID-19. Precisamos de imunidade para pessoas presas, imigrantes e requerentes de asilo de todo o mundo que estejam condenados a doenças e provável morte enquanto estiverem presos em gaiolas que nunca serão lares. Precisamos de imunidade para todos.

Em abril, várias pessoas se recusarão a pagar o aluguel e, com esse único gesto, darão um novo significado ao termo “imunidade de rebanho”. Os vírus sempre tiveram um papel evolutivo como vetores da transferência de informações entre espécies e reinos; eles são mestres na sincronização de sistemas ecológicos. O que será possível se sincronizarmos nossas ações em uma recusa coletiva? Vamos trabalhar juntos para defender este lugar que chamamos de casa.

cloudfront.crimethinc.com/assets/articles/2020/03/26/3-pt.jpg


Convite à greve

“Minha imaginação me deixa humana e louca. Isso revela o mundo inteiro para mim e ao mesmo tempo me afasta. “

-Ursula K. LeGuin

“Prefiro que não.”

-Bartleby

“A tradição dos oprimidos nos ensina que o ‘estado de emergência’ em que vivemos é a regra. Devemos chegar a um conceito de história que corresponda a esse fato. Encararemos, então, como nossa tarefa, a criação do verdadeiro estado de emergência; e isso melhorará nossa posição na luta contra o fascismo “.

-Walter Benjamin

No dia 1º de abril, não pagaremos o aluguel. Não temos dinheiro por isso. Mal tínhamos antes. Aluguel: nossa contribuição mensal ao sofisma, segundo a qual as casas em que vivemos em terras roubadas pertencem aos nossos proprietários, com quem somos devedores apenas por estarmos vivos. Agora, quando nossa própria existência como espécie é posta em causa, não podemos suportar o pesadelo desse relacionamento.

Na última década, os levantes que derrubaram regimes foram derrotados pela gentrificação global das cidades. Os rebeldes nas cidades de todo o mundo se curvaram ao crescente custo de vida e ao desgaste do trabalho que nos suga as almas. Nossas vidas se tornaram cada vez mais agitadas. Eles estão despejando um trilhão de dólares por dia nos bancos para mantê-los à todo vapor. Os a fila do desemprego que cresce diariamente em todos os lugares nos chamados Estados Unidos já estão excedendo aqueles no auge da crise financeira que precedeu os movimentos Occupy. Na Califórnia, a associação de proprietários enviou uma carta aos seus eleitores, aconselhando os proprietários a congelar as rendas, trabalhar com os inquilinos para estabelecer planos de pagamento e suspender as remoções. No entanto, os governos municipais oferecem apenas baixa proteção para os locatários. Os capitalistas anunciaram sua disposição de nos sacrificar em massa no altar da economia. Eles já querem que voltemos ao trabalho.

Nossos inimigos estão com medo. Eles sabem que uma tempestade está chegando. Não podemos continuar assim.

#OBrasilVaiParar - Um Chamado à Greve e à Paralisação

Dia 1º de abril, uma multidão sem precedentes simplesmente não pagará o aluguel. Alguns farão isso por solidariedade. Alguns porque eles não têm outra escolha. Outros o farão como um edifício inteiro ou como um quarteirão inteiro. Alguém fará isso sozinho. Esta greve não pertence a ativistas, organizadores ou militantes. Pertence a todos nós, a todas aquelas que simplesmente não podem ou não querem suportar o peso desta crise. Pertence a todos aqueles que não pagam, que não aceitam mais dívidas, a todos que se esforçam ao dizer “não”. A todos aqueles que se amam e se respeitam.

Não é a primeira vez que entramos em greve.

Alguns de nós fizeram greve em prisões, em salas de aula, fábricas, estradas e portos. Agora estamos em greve em nossas casas. Da mesma forma que fomos às ruas depois da pandemia de 1918 e como entramos em greve após a peste bubônica. Após essas catástrofes, eles não puderam nos manter no trabalho, não puderam impedir nossa liberdade de movimento e descobrimos maneiras de expropriar a riqueza acumulada mesmo na morte – a força que nos eleva – para expropriar os ricos. Novas possibilidades infinitas para a vida tornaram-se repentinamente concebíveis para inúmeras pessoas que só agora imaginam que podem existir fora da economia. Nunca antes houve uma necessidade tão urgente de nossa imaginação, de nossa atenção poderosa.

Os mesmos políticos progressistas que tornaram a palavra abolição inofensiva já estão tentando se apropriar da linguagem do apoio mútuo. Eles sabem que o estado não pode nos salvar. Se a apoio mútuo é, de fato, um fator em evolução, os modos como ele se espalhou por todo o lado já começaram a nos transformar. Quando tudo acabar, as autoridades nos dirão que só sobrevivemos graças ao controle imposto por eles; os liberais já aplaudem o novo autoritarismo em nome do bem comum. No entanto, sabemos que o que realmente nos mantém vivos é o cuidado que temos umas pelas outras.

O vírus ameaça nossas vidas, mas também ameaça a ordem social que as tornou impossíveis. Aluguéis, empregos, preços, dívidas, seguros – todos os golpes que nos marcaram – deixe o vírus congelá-los. Vamos beber o fogo e cuidar dos nossos corações enquanto esperamos o frio.

A primavera está chegando. Com o Dia da Mentira, a primavera chega de verdade: uma renovação, um jubileu, uma suspensão, uma reversão, uma piada do destino – mas não para nós. A jornada do louco abre o caminho para o mundo. O inevitável fracasso no pagamento de inúmeras dívidas será nosso primeiro golpe contra o mundo das medidas e controles. Essa é a coisa mais fácil que podemos fazer. Em face da doença, começa com serenidade, benevolência, descanso.

Se o trabalho em si está nos matando, a greve não pode ser mais trabalho. 1º de abril não é um dia de ação. Nesse dia, durma, ligue para seus amigos, beije seu amor, leia, medite, beba água e prepare-se. Nesse dia será uma pequena chave que abrirá uma porta. Os gestores das cidades costeiras já estão testando o novo normal, mas as cartas ainda estão sobre a mesa. A crise não vai acabar até que a gente decida. Agora, quando tudo está em jogo, nossa maior arma é a nossa recusa coletiva em jogar o jogo deles.

O velho mundo não vai nos dar tudo o que precisamos. Como poderia? Saúde, descanso, um mundo sem dívidas ou prisão, lar – nós, que passaremos por essa porta, precisaremos encontrar essas coisas por nós mesmos. Devemos conceber a greve o mais amplamente possível.

Não temos medo de ruínas. Hoje, quando o futuro de todos nós for cancelado, o que está prestes a acontecer pode ser tudo o que teremos. Não vamos voltar ao normal. Vamos moldar o que vem a seguir. Alivie seu fardo. Você não precisa suportar sozinho. Estamos batendo. Com tanta distância entre nós, é hora de ativar tudo o que se conecta.

Ilhas no córrego É o que somos Ninguém no meio Quão errado pode ser Navegue embora comigo Para outro mundo E vamos confiar em nós mesmos, ha ha

Não pague. Também nos não o faremos. Não podem despejar todos nos. Vamos dar a eles o inferno se tentarem.

Nós sabemos como sobreviver a uma epidemia. A saúde está em você!